O poder de uma convicção

Por Viviane Rocha, professora de Planejamento Estratégico de Estudos e Mestre em Psicologia Educacional e Processo de Aprendizagem na idade adulta

Esse não é um artigo com um texto meramente motivacional, mas, sim, um artigo feito com muito carinho para que possamos buscar respostas em nós mesmos e ajudar você a traçar planos que lhe conduza à tão sonhada aprovação em um concurso público.

Sou professora na Central de Concursos e minha aula consiste em técnicas para potencializar o processo de preparação para concursos públicos. Faço uma análise do edital e sempre digo que os alunos devem conhecer todas as regras, etapas e que devem preparar-se para todas elas, pois todas devem ser cumpridas com louvor, ou seja, com a nota ou percentual estabelecido no edital.

Há alguns meses, durante o intervalo de uma dessas aulas, um aluno me perguntou sobre o que eu achava do cenário político e econômico do Brasil, queria saber minha posição e opinião sobre tudo que está ocorrendo. E mais, que estava 100% convicto de todas suas opiniões e ideias e que esse cenário atual é o único responsável pela situação em que ele se encontra: desempregado, desmotivado e sem ânimo para estudar.

E eu perguntei para ele: qual sua convicção sobre você merecer conquistar um emprego público? Ele marejou os olhos e disse que precisava de um café.

Trabalhando há quase 26 anos com concurso público sou capaz de perceber alguém que está cansado ou que está procurando desculpas para tirar o foco dos estudos. A convicção dele sobre o contexto político e econômico do nosso país e como isso tudo era responsável, único responsável, pelo seu insucesso era tamanha que me fez pensar que se ele tivesse a mesma força e convicção a favor de seus sonhos, com certeza seu rendimento e entusiasmo seria muito maior para conquistar a tão sonhada vaga na iniciativa pública.

Essas situações nos conduzem aos mais diversos pensamentos. Podemos procurar culpados, mas também podemos buscar forças, pois se alguém está trabalhando e torcendo contra nós, temos obrigação de sermos fiéis aos nossos sonhos, temos que ser convictos do nosso merecimento.

Eu sempre digo uma coisa para os candidatos: “se você reprovar em um concurso a culpa será sua, mas se você passar e se tornar servidor a culpa (ou mérito) será sua também”.

Estamos em uma sociedade cheia de convictos. Convictos de coisas que nem sempre trarão tantos benefícios. Gaste sua energia e tempo com o que lhe trará sucesso, ao que lhe conduzirá ao seu sonho, ao que você está convicto que merece.

Às vezes o problema está exatamente aí: nem sempre estamos convictos do nosso próprio merecimento.

Estamos cheios de discursos do que é ser cidadão, mas esquecemos que ser cidadão e lutar pela democracia é também fazermos nossa parte, é sermos responsáveis e felizes com nossas escolhas e decisões, por algo muito simples, temos e lutamos pelo livre arbítrio, o que escolhemos e decidimos também é fruto de nossas atitudes e posturas, de nossas próprias atitudes e posturas.

O poder da convicção está também em se fazer o possível e impossível para nós mesmos, em acreditar e lutar por um lugar ao sol,de sermos capazes de gerar, a partir de ações e vitórias, sentimentos de sucesso e missão cumprida.