Concurso INSS: especialista traça estratégia de estudo para os futuros candidatos

A confirmação de que o Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) da União, para 2022, prevê verbas para a realização do concurso para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) já está mobilizando milhares de pessoas em todo o país, sobretudo visando a uma vaga na carreira de técnico do seguro social, que exige apenas o nível médio e tem remuneração de R$5.447,78.

Mas como se preparar adequadamente para esse concurso, que costuma atrair o interesse de milhares de pessoas, no país inteiro, que buscam um emprego com estabilidade em uma das mais importantes instituições da esfera federal? Para responder a essa pergunta e dar dicas de preparação para os futuros candidatos, a equipe de reportagem da Central de Concursos entrevistou Viviane Rocha, que é pedagoga, mestre em psicologia educacional e professora de técnicas e planejamento de estudos.

Viviane Rocha afirma ser fundamental os interessados iniciarem os estudos com antecedência, mesmo antes de o concurso do INSS ser autorizado pelo Ministério da Economia. Para se preparar adequadamente para este certame, a primeira dica da professora é para que os futuros candidato elaborem e organizem a agenda, relacionando os horários destinados à preparação e às tarefas pessoais e/ou profissionais, caso haja.

A professora, que leciona na Central de Concursos, explica que procrastinar é uma falha que o futuro candidato não pode cometer. Segundo ela, o importante é dar o ‘ponta pé’ inicial nos estudos, mesmo que o interessado não tenha muitas horas livres para estudar: “Inicie uma rotina aos poucos e com o tempo tente, por exemplo, acordar uma hora mais cedo, dormir uma hora mais tarde, almoçar em 20 minutos e estudar nesses períodos”, recomendou.

As rotinas pessoal e profissional sempre dificultam um pouco a vida daqueles que decidem estudar para concursos, mas a professor Viviane Rocha diz que o candidato precisar ser criativo e criar formas de aproveitar todos os momentos disponíveis no dia a dia.

“Estude no trânsito, quando estiver no transporte público, e até em salas de espera de consultórios médicos. Caso não consiga carregar o material didático para todos os lugares, procure tirar fotos de suas anotações e estude onde estiver. Use também aplicativos que geram simulados online, não desperdice seu precioso tempo”

Inclusive, segundo a professora Viviane Rocha, a melhor forma de potencializar e dinamizar os estudos é fazendo muitos exercícios. “Com o tempo, o candidato perceberá onde deve focar no estudo da teoria, da lei seca e priorizar aqueles assuntos que sempre são cobrados pela banca. E como identifica-los? Fazendo exercícios de provas anteriores”, explicou.

Viviane Rocha diz que, com o edital iminente, o aluno deve identificar o percentual de acerto nas questões e distribuir e/ou redistribuir os horários de estudo, caso seja necessário, para que consiga elevar o nível de acertos nas disciplinas que ainda lhe falta melhorar o desempenho.

“Uma dica nessa redistribuição de horários: o aluno não pode esquecer a importância da disciplina de Direito Previdenciário. Na última prova, de 2015., foram 70 itens de um total de 120 da prova”, lembrou a professora, destacando ainda a necessidade de serem realizados simulados. “Separe alguns domingos e disponibilize três horas e meia para realizar um simulado com as características e disciplinas pertinentes à banca da prova, que possivelmente será o Cebraspe, e aproveite e treine como passar o gabarito dos 120 itens para o cartão-resposta”.

A professora Viviane Rocha ainda deu dicas de como o candidato deve se portar no dia da prova. Segundo ela, é estratégico iniciar a avaliação pelas questões da disciplina em que se tem melhor desempenho. “No entanto, nunca deixe as matérias que menos gosta e/ou tem o menor desempenho para o final, pois o Cebraspe é a banca do detalhe, e um detalhe pode lhe custar menos dois pontos, porque se o candidato erra uma questão, automaticamente ele perde o ponto de uma outra pergunta que tinha acertado”, finalizou.