Governo quer o Lattes dos servidores

Por Antonio Batist, consultor, professor, empreendedor e servidor público

O governo federal anunciou em dezembro de 2017 que lançará um “Banco de Talentos” composto por servidores públicos. Mas, em função da inexistência de ferramentas que concentrem dados de capacitação e qualificação dos servidores, o Ministério do Planejamento investiu em uma ideia que muitos não esperavam: usar o currículo Lattes dos profissionais do serviço público.

Existe uma visão um tanto distorcida sobre o currículo Lattes e há quem pense que ele seja algo exclusivo para pesquisadores acadêmicos. Embora o meio acadêmico seja de fato seu maior alvo, não é o único.

“O Lattes tem uma tendência acadêmica, mas permite lançar outros dados: se você foi ou é sócio de uma empresa, por exemplo, é plenamente possível cadastrar esse tipo de informação ou outras que não sejam necessariamente acadêmicas, mas com relevância profissional como um dos critérios possíveis”

Justamente por isso, o governo federal pretende utilizar o Lattes como fundamento para o “Banco de Talentos”. Sobre o “Banco” e o Lattes, em recente entrevista à Coordenação de Comunicação Social do CNPq, o secretário de Gestão de Pessoas do Ministério do Planejamento, Augusto Akira Chiba, afirmou que trata-se de “uma ação que visa à profissionalização da gestão pública, aliada a um trabalho de dimensionamento da força de trabalho que também vamos iniciar”.

A Plataforma Lattes foi colocada em funcionamento em 1999 pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Trata-se de ferramenta gratuita e que viabiliza cadastrar itens como formação acadêmica/escolar, experiência profissional, publicações, participações em concursos públicos e muito mais.

O Lattes tem uma tendência acadêmica, mas permite lançar outros dados: se você foi ou é sócio de uma empresa, por exemplo, é plenamente possível cadastrar esse tipo de informação ou outras que não sejam necessariamente acadêmicas, mas com relevância profissional como um dos critérios possíveis.

Fato é que o servidor público federal, além dos tradicionais motivos acadêmicos e de qualificação, terá em breve também algumas razões profissionais de seu legítimo interesse para cadastrar e atualizar seu currículo na plataforma Lattes.